Como tratar edemas pós cirúrgicos DE LIPOASPIRAÇÃO E CIRURGIA PLASTICA

Como tratar edemas pós cirúrgicos DE <strong>LIPOASPIRAÇÃO E CIRURGIA PLASTICA</>

Tempo de leitura: 5 minutos

Edema: é um acumulo de liquido localizado nos tecidos conjuntivos intersticiais subcutâneos.
O edema modifica o contorno do corpo apresentando uma elevação túrgida do tecido e podem atingir todo o corpo independente da área operada, algumas vezes pode se instalar por todo o corpo, ou simplesmente localizado apenas na área operada, não tem como definir o que vai acontecer antes da cirurgia porque esse processo é de cada pessoa.

Edema Baseggio et al (2011), relata que a drenagem linfática manual é indispensável no pós operatório de cirurgias plásticas, e que se deve iniciar o mais precoce possível, para ajudar na penetração do líquido excedente nos capilares sangüíneos e linfáticos intactos da região adjacente à lesão. Afirmam que quanto mais precocemente iniciada a drenagem linfática, menor a probabilidade do acúmulo de líquidos no local e mais rápida a recuperação dessas pacientes. Em estados fisiológicos a pressão hidrostática ( pressão exercida dentro do vaso sanguineo) e oncótica (nível de viscosidade do sangue) no liquido intersticial são relativamente constantes, quando o volume de líquido intersticial excede a capacidade de drenagem dos linfonodos, haverá um excesso de líquido intersticial nos tecidos subcutâneos sendo denominado edema. Nos traumas mecânicos, como na cirurgia plástica, pode haver alteração estrutural ou funcional dos vasos linfáticos, causada por laceração ou compressão (hematoma, fibrose). Essa obstrução mecânica alterará o equilíbrio das tensões, resultando de maneira inevitável em edema. Esse edema é definido como o acúmulo de excesso de líquido no espaço intersticial como resultado da quebra do equilíbrio entre a pressão interna e externa da membrana da célula, ou de uma obstrução do retorno linfático e venoso (SILVA, 2012). O edema indica reação inflamatória tecidual, alteração na dinâmica normal dos capilares e funcionamento inadequado ou comprometido do mecanismo de bombeamento venoso e do sistema linfático. Denota-se excesso de líquido no interstício ou em cavidades serosas; sendo um processo desencadeado pela histamina, pela bradicinina, pelos leucotrienos e por outras classes de mediadores químicos, pode corresponder a um exsudato ou a transudato. O exsudato é o líquido inflamatório extravascular com concentração protéica elevada e grande quantidade de restos celulares; em contraste, o transudato é um líquido com teor protéico baixo composto em sua maior parte de albumina (REIS et al, 2004). O excesso de líquido no interstício promoverá um aumento da pressão intersticial de modo a promover compressão das estruturas adjacentes. Neste contexto haverá afastamento dos capilares, distensão das células endoteliais e dos espaços intercelulares ocasionando uma dilatação anormal das válvulas. Parte deste líquido será drenado pelas veias, no entanto as proteínas de maior peso molecular não conseguiram retornar aos vasos e acumularam-se no interstício. Esse excesso de proteína estimulará a formação dos fibroblastos e determinará a formação de fibrose (GODOY e GODOY, 2001).
Qualquer ato cirúrgico causa um rompimento de vasos, promovendo a obstrução superficial e, às vezes, profunda da circulação linfática (LARIONOFF, PORTAL, 2007

E como podemos ajudar nesse processo de edemas pós cirúrgico.
Inicialmente são indicadas sessões de drenagem linfática para diminuir edemas e ativar a circulação e oxigenação e na prevenção de fibroses. E também é indicado o uso adequado das malhas compressivas dos moldes de E.V.A e espuma de modo uniforme sem garrotes. Breve neste canal vou colocar um link para baixar Ebook com passo a passo dos moldes para cada cliente aguardem.
O edema mesmo com as drenagem e compressão ainda permanece por algum tempo. isso depende do tipo de cirurgia do tratamento pós cirúrgico e do bio tipo de cada um, onde também pode ocorrer o início da fibrose e o aparecimento de ondulações e enrijecimento no local operado.
Nesses casos indicam-se além de drenagens linfáticas algumas manobras de massagem especificas para fibroses e endurecimentos e também o uso de algum aparelho eletroterápico para ajudar nesta fase que é quando o colágeno aumenta e pode haver uma cicatrização interna errada fazendo com que a pele cole errado deixando marcas e ondulações e esse não é um resultado que as pessoas esperam depois de uma lipoaspiração ou de uma cirurgia plástica.
Cabe aos profissionais da área de estética estarem preparados para este tipo de atendimento.

E para você que ficou ate o final deste artigo, você pode ver que tem que saber muito sobre o pós operatório, você aprendeu o que é edema na visão de alguns autores importantes da nossa literatura cientifica e pode constatar que eles afirmam que a drenagem linfática é muito importante logo após o ato cirúrgico, pode aprender também a diferença entre pressão hidrostática e osmótica e claro aprendeu como podemos ajudar nos casos de edema. E se você deseja saber mais sobre pós cirúrgico e de como se aprofundar em pós cirúrgico cadastre seu e-mail na nossa lista vip deste blog .

Baixe agora seu E-Book  para você ter acesso a um treinamento gratuito de uma forma fácil e prática de colocar as malhas compressivas e a forma correta de colocar os artefatos usados por baixo das malhas.
Gostou do conteúdo então corre lá e assine meu canal youtube que toda semana vou colocar uma novidade sobre pós cirúrgico.

Um abraço e ate breve.

Luciene Martins.

 

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.