Uma nova visão sobre drenagem linfática pós cirúrgica.

Tempo de leitura: 3 minutos

Congresso internacional de estética em 2007 no Anhembi São Paulo. premio de melhor tema livre do ano. Uma nova visão sobre drenagem linfática pós cirúrgica.

Drenagem Linfática pós cirúrgica.

Ao longo de 29 anos de experiência em massagem estética, massagem clássica e drenagem linfática, constatei que cada pessoa reage de forma diferente às diversas manobras e com essa experiência, criei para cada pessoa a sua massagem exclusiva, resultado de cuidadosa observação.

Atendendo pré e pós-cirúrgicos vi a necessidade de mudança nos tratamentos estéticos,pois desde 1980. Com a criação revolucionária técnica de lipoaspiração, criada pelo cirurgião francês Ives Gerard Illoz, a mesma tem evoluído constantemente. _ Como exemplos têm as cânulas iniciais de 20 mm. de espessura, até as usadas hoje, de 4 e 5 mm.

A cirurgia avança a passos largos, e conseqüentemente a drenagem não pode ficar para trás. Para acompanhar as evoluções fiz algumas modificações nas manobras de drenagem respeitando a fisiologia e as técnicas já existentes, comprovadas cientificamente. Resultado foi observado  a cada cliente que chegava com cirurgias diferentes, exigia nova  pesquisa sobre elas  para adaptar as técnicas de drenagem de acordo com a cirurgia feita.

Todo o estudo foi de acordo com os estudos dos principais criadores da técnica.

Emil Vodder, criador da técnica, conhecido como O Pai e a Escola para a Drenagem Linfática nos anos 30, e mais tarde para Terapia Física Descongestiva. Foi o primeiro método a influenciar a coleta, transporte e purificação da linfa. Inicialmente seu tratamento limitava-se ao membro atingido.

SEUS DISCÍPULOS:

Földi

Criou em 1963 a Terapia Física Complexa. Em 1995 o Comitê da Sociedade Internacional de Linfologia indicou sua drenagem para a terapia de Linfoedema.

Salientou a importância das Anastomoses.

Leduc

Em 1977 adaptou o método de Vodder e Földi, e comprovou a ação acelerante da Drenagem linfática manual, através da radioscopia eletrônica. Foi o fundador do grupo Europeu de Linfologia.

DIFERENÇAS ENTRE AS TÉCNICAS

Vodder:

Trabalham de proximal para distal, primeiro as zonas próximas ao coração e vai afastando no sentido da extremidade, seguindo o fluxo linfático.

Földi:

Inicia a drenagem na raiz do membro, criando um reservatório vazio, vazando os gânglios colaterais linfáticos via anastomose.

Leduc:

Trabalha na zona sã ou infiltrada, de proximal para distal ou vice-versa, no caso de linfoedema primeiro drena a raiz do membro.

Após assistir uma vibro lipoaspiração com mini abdômen, percebi que realmente minha teoria e mudança estavam certas e todos os resultados foram positivos. Comecei as pesquisas na área de pós-cirúrgicos tendo acesso a autores que já haviam feito trabalhos relacionados a anastomoses profundas e a fisiologistas e anatomistas para saber tudo sobre linfa, pesquisas essas elaboradas por eles desde 1930, data da criação das manobras de drenagem linfática até os dias atuais com comparações teóricas e práticas.

Neste contexto, surge uma nova forma de drenagem para cada tipo de cirurgia, respeitando a fisiologia.

Este blog foi criado para falar deste assunto toda semana vou colocar um tema.

Fiquem atentos, CADASTRE SEU EMAIL NESTE BLOG    e aqui esta o link para você ter acesso a um  E-book   ensinando como confeccionar moldes de Espuma e E.V.A que  coloca por baixo das malhas compressivas e a forma correta de colocar os moldes por baixo das malhas, e ainda poder aumentar seu faturamento.
• Gostou do conteúdo então corre lá e assine meu canal youtube que toda semana vou colocar uma novidade sobre pós cirúrgico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.